Responsabilidade social no mundo da moda é possível?

24/01/2019

Já foi-se o tempo em que a moda era feita apenas para um seleto grupo de pessoas. Atualmente a acessibilidade à produtos de moda está cada vez maior e está indo muito além de vertentes sociais já conhecidas como o feminismo e a moda sem gênero.

 

Eu tô falando de responsabilidade social e da importância dela na indústria da moda quando o assunto é a inclusão.

 

No vídeo de hoje eu vou desmistificar essa história de que as marcas de moda não se importam com as pessoas e com o planeta, pelo contrário, as que não se importa mais cedo ou mais tarde tendem a cair na irrelevância. E não é isso que você quer pro seu negócio, não é mesmo?

 

 

Ao contrário do que algumas pessoas imaginam, existem muitas iniciativas focadas em responsabilidade social no mundo da moda. Algumas das marcas que se preocupam com isso são a M. Officer, Adidas e a fast fashion Riachuelo, mas a gente fala disso um pouco mais pra frente.

 

O comportamento da sociedade e por fim, do consumidor moderno está se voltando cada vez mais para a inclusão de pessoas dos mais variados perfis e o reflexo desse movimento está atingindo diretamente a moda.

 

Sendo assim, um debate foi estabelecido: como criar empresas que tenham um sistema de gestão de marca que valorize as pessoas e respeite o planeta sem cair no clichê e principalmente sendo verdadeiro?

 

RESPONSABILIDADE SOCIAL

- vamos começar pelo básico, entendendo o que é essa tal de responsabilidade social;

- é quando uma empresa decide voluntariamente contribuir com a nossa sociedade e com o nosso planeta;

- ou seja, são as iniciativas que as marcas possuem de pensar além do lucro financeiro, visando o bem estar geral;

- é dividida em dois níveis: interno e externo;

- nível interno: o relacionamento com trabalhadores, fornecedores e todo o ambiente empresarial, o que influencia diretamente nos resultados e na produtividade da empresa;

- nível externo: consequências das ações da marca no meio ambiente e na vida das pessoas e isso inclui estar de olho em seus parceiros de negócios e o meio em que estão inseridos.

 

EXEMPLOS DE NEGÓCIOS E INICIATIVAS

- M. Officer: desenvolveu uma coleção chamada “Saving Water”, onde não há uso de água no processo de desgaste ou acabamento do jeans, com isto a marca busca economizar água e salvaguardar o meio ambiente;

- Adidas:  lançou um novo protótipo de tênis feito inteiramente com plásticos retirados do oceano, em parceria com a “Parley for the Oceans”, uma ONG que sincroniza a economia atual com o ecossistema da natureza;

- Riachuelo: Em dezembro de 2015, a Riachuelo inaugurou sua primeira loja com projeto ecológico e em 2018 criou o departamento de sustentabilidade e responsabilidade social que tem como um dos pilares monitorar as peças nos aspectos ambiental e social.

 

INCLUSÃO

- mas a real busca por trás da responsabilidade é a inclusão;

- novas marcas estão surgindo com conceitos totalmente novos e criando peças para os mais diferentes públicos: de plus size à deficientes físicos todos estão sendo ainda que aos poucos, atendidos pelo marcado da moda

- a tendência é forte e o público exige isso das marcas mas é importante que todo o seu trabalho para incluir novos públicos seja verdadeiro;

- marcas que vão na onda dos modismos, ainda que sejam bons modismos, logo logo são descobertas e envolvidas em escândalos, justamente por não conseguir manter a responsabilidade social em todos os aspectos por muito tempo.

 

APLICANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NO SEU NEGÓCIO DE MODA

- a primeira coisa que você deve fazer antes de aplicar os princípios da responsabilidade no seu negócio de moda é que causa você quer apoiar;

- existem marcas especializadas em roupas para cadeirantes e cegos, por exemplo, que unem funcionalidade e design;

- o exemplo que eu mais uso aqui nos vídeos, das marcas veganas, é o mais fácil de entender;

- negócios veganos geralmente apóiam boas causas, como a defesa aos animais e a sustentabilidade;

- você pode fazer campanhas para vender peças com desconto especial para quem leva roupas de segunda mão em boas condições de uso que você pode doar para alguma instituição da sua cidade

- internamente, inclua perfis diferentes de funcionários: homens, mulheres, idosos, deficientes físicos, pessoas gordas e magras, enfim… inclua, inclua, inclua!

- contrate seus funcionários pelas suas habilidades e deixe de lado os rótulos ultrapassados;

- use a sua criatividade para criar boas ações, o céu é o limite.

 

No final das contas, o que o consumidor moderno busca é a valorização das pessoas. Não é à toa que grandes marcas como a Dolce & Gabanna tem visto as vendas diminuírem progressivamente depois que Stefanno Gabana, estilista da marca deixou claro que não aceita que pessoas “feias” vistam suas peças.

 

Como assim? Existe um sinal mais claro de exclusão de pessoas, não é mesmo?

 

Então se até a Dolce & Gabana caiu por terra, imagina pequenos negócios que se aproveitam da responsabilidade social para se promover…

 

Por fim, não se esqueça que o seu negócio é feito por pessoas e para as pessoas. Pense nisso.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ÚLTIMOS POSTS

Como escrever legendas que ENGAJAM!

May 28, 2020

Como passar CREDIBILIDADE nas redes sociais

May 17, 2020

1/15
Please reload

Cadastre-se agora e receba gratuitamente atualizações, artigos e dicas exclusivas para assinantes!

INSTAGRAM

ENTRE EM CONTATO:

julianaalso.c@gmail.com

  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco

Powered by: Juliana Also | 2020